terça-feira, março 14, 2006

Dalat: a frescura dos "alpes" vietnamitas

Com a consciencia tranquila de termos cumprido em Nha Trang a homenagem ah patrona -- e patrocinadora e mentora -- desta viagem (iniciada pela "iluminacao" ocorrida numa igreja da baixa lisboeta), chegamos a Dalat decididos a descansar entre o ar puro das montanhas. Mas isso so depois de descobrirmos um quarto para deixar as malas, apos rejeitarmos a proposta tiranica do Cafe Sinh: um hotel do mesmo grupo, caro e longe dos restantes alojamentos da cidade. A ladeira que comecamos a subir parece nunca mais terminar. Ja extenuados descobrimos um hotel assinalado no livro-guia. Uma familia vietnamita recebe-nos com um ingles parco, chavenas de cha e sorrisos. Ficamos. E nao desistiremos do quarto nos dias seguintes, mesmo sendo sempre acordados por um galo por volta das 4 da manha. A simpatia gera destas fidelidades absurdas.
O percurso inicial por Dalat revela uma cidade com aspecto de alpes suicos e Paris provinciana. Um lago artificial rodeado de montanhas verdejantes, avenidas bordeadas de canteiros de flores e uma construcao metalica semelhante ah Torre Eyffel criam um ambiente kitsch e diferente do resto do Vietname. A custo encontramos uma galeria de arte excepcional: os quadros que representam paisagens, pessoas, motivos florais, nao sao pintados mas sim bordados em seda. Ao longe a diferenca eh imperceptivel e ao perto a mestria desta arte torna-se auto-evidente. No segundo andar percorremos a oficina onde trabalham as mulheres bordadeiras e o atelier em que artistas tracam os contornos dos desenhos a preencher. A visita guiada inclui um cha de cortesia e eh feita sem pressao para comprar uma destas obras que podem ascender a milhares de dolares e demoram cinco meses a terminar.
Dalat eh realmente uma cidade artistica, estranha, idiossincratica. Comprovamos isso tudo na paragem seguinte, um cafe que funciona na casa de um pintor, poeta, musico local. A conversa que temos com o artista e um escritor amigo ingles sera para recordar/relatar em conversas cara a cara, depois do nosso regresso. Ha momentos tao especiais que merecem ser partilhados dessa forma.
Ficamos convencidos que sera dificil suplantar o primeiro dia em Dalat pelo que recorremos ao auxilio de dois "easy riders". Na manha seguinte la estavam eles: nao o Peter Fonda e o Dennis Hopper mas sim dois guias motoqueiros vietnamitas. Ja com capacete posto e bem agarrados na parte traseira da mota, partimos para um dia cheio de descobertas (palacios reais de Verao, cascatas, mosteiros onde se ensina meditacao zen, estacoes ferroviarias de estilo frances, plantacoes de cafe, "casas loucas" arquitectadas com inspiracoes em Gaudi e Dali) e aventura (um erro de percepcao levou a que nos perdessemos no meio de uma floresta, na unica parte do trajecto feita a pe... mas la encontramos a estrada e esperamos pacientemente pelos nossos "cavaleiros andantes"). As visitas efectuadas ao nosso ritmo -- demoramos o tempo que queremos em cada sitio -- intercalam-se com deliciosos (e frescos!) passeios de mota para criar novo dia memoravel. Gostamos tanto dos "easy riders" que acabamos por jantar quase sempre num simpatico e modesto restaurante -- magnificos hamburgueres de tofu e batidos de morango -- que por acaso funciona como ponto de encontro entre turistas e guias-motoqueiros.
No dia seguinte, o ultimo passeio na cidade eh feito a pe, em redor do lago artificial (e sujo), e ao jardim das flores, parque onde encontramos estufas enormes das magnificas, e ao que parece celebres, orquideas de Dalat. Recuperados pelo ar das montanhas -- mas muito ensonados pelo cantar de galo -- subimos de novo para o autocarro Sinh. A viagem ate Mui Ne leva horas por estradas serpenteantes e eh um balsamo quando conseguimos adormecer. Sonhamos acordar ja no meio da praia, sob o sol do Vietname... [PMM]

3 Comments:

At 1:01 da tarde, Blogger post_it said...

Olá amigos!
Guias motoqueiros!? Mais uma surpresa e um pensamento: como não me lembrei disto antes!?
Perdidos no meio da flores? Como diz a minha chefe com sotaque "mexicano": "Por Dios, que medo!" :- D
Muitos beijinhos e saudades!
Cláudia

 
At 7:21 da manhã, Blogger av_pm said...

Ola amiga!
Depois do guia motoqueiro acabamos de chegar de uma viagem fantastica de tres dias no deserto australiano com o melhor guia que tivemos ate hoje! Cansados mas ainda deslumbrados. Beijos****

 
At 1:49 da tarde, Anonymous Anónimo said...

deixem lá pá! vão surgir outras praias nessa vida (zorro)

 

Enviar um comentário

<< Home